• Ludzeg

Collage - um (re) colar do mundo fragmentado

O papel possui traços humanos. Cheiro, memória, sentimentos. A collage desperta os sentidos de quem vê e de quem faz. É um processo de construção, não somente do ponto de vista técnico, mas emocional. Fazer uma collage é deixar o pensamento revisitar o passado e explorar o presente. Como construir a memória através da collage?


Com a pandemia da COVID-19, tivemos que readaptar o nosso olhar e cotidiano. As lembranças que produzíamos instantaneamente, com uma rotina cheia de eventos, deu lugar a uma vida interior que fala alto. Estamos diante da nossa voz inconsciente, aprendendo a deixar os ruídos do mundo exterior lá fora. E toda arte pode nos ajudar nesse processo.


A collage surge através do olhar que corta e recorta fragmentos ao redor. É como se ela representasse o espírito de um tempo. "A collage só pode existir em um mundo despedaçado, fragmentado, hostil, por isso é expressão de nosso tempo. A verdade é que não pode haver collage em um mundo intacto, onde não existam pedaços para serem colados. Collage é um gesto sobre um mundo destroçado, de alguma forma: hostil. Quem faz collage não pode contentar-se com um mundo em ruína. Re-colar esses fragmentos é construir um mundo novo". Trecho de "A collage como trajetória amorosa e o sentido de hospitalidade: acolhimento em Derrida” de Fernando Freitas Fuao Ensaios Filosóficos Maio/2014 .


Através da collage podemos ressignificar o mundo e propor novos contextos e dar uma nova perspectiva da imagem. Postais, cartas e fotografias antigas são fragmentos da nossa história de vida, da nossa individualidade. Revistas, livros e jornais antigos também guardam uma memória.


É importante olhar para cada um desses instrumentos e identificar uma sensação que surge, se é uma saudade, um sentimento de luta e fraternidade. A partir desse sentimento, iniciar o processo da collage é uma maneira de refinar ainda mais o seu olhar para o sentido da obra, para o sentido da expressão.

Ao longo do processo, a collage conversa com colagista, é um diálogo muito verdadeiro e íntimo. Não somente na procura das figuras, mas nas cores e nas formas. Exercitar o olhar da collage é saber fazer uma curadoria e saber respeitar o que ela pede.


A collage é o meio pelo qual a mensagem chega em múltiplas leituras, de acordo com cada percepção de vida humana, sendo um prisma da nossa atualidade. A collage me ajuda a respirar enquanto aprendemos a viver em coletivo para enfrentar essa pandemia global.


*Ludzeg é colagista e utiliza técnicas manuais e digitais.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo